BLOG

CDL HOBBY

18

JUNHO, 2019

Notícias

Bike… Esse esporte faz parte da minha vida desde que me entendo por gente. Meu pai era um exímio ciclista, meu irmão mais velho também… Passei, desde minha infância até os dias de hoje, sobre as rodas de uma bike.

Hoje pratico outros esportes, porém, o que me relaxa, é a bike. Posso praticar sozinho até mesmo em uma trilha, sem a tensão de ter a responsabilidade do parceiro ou da equipe. Já para uma prova profissional, de circuito, posso participar em equipes, onde cada um tem seu ponto forte, seja velocidade, resistência ou até mesmo aquele parceiro que segura o pelotão para um sprint final.

Para praticar esse esporte apaixonante é importante estar atento aos equipamentos de segurança, dos mais básicos como capacete, luvas e óculos, até algo como um colete refletivo, por exemplo, para andar em uma estrada como a Freeway.

Há diversas maneiras de curtir uma bike. Para as trilhas, temos a Mountain bike, onde os pneus são mais largos e voltados para o barro, com suspensão especial para amortecer as “porradas” de buracos e pedras. Já para as competições de velocidade, a bike é a Speed, com pneus mais finos, rodas mais próximas e relações de marchas um pouco diferente. Recentemente adquiri uma bike não muito comum por aqui, um modelo para uso na neve, porém aproveito no asfalto e quando estou na praia vou até a areia da beira do mar, onde ela se comporta muito bem. Comprei essa bike quando estava viajando a trabalho. Após o expediente, sentia que faltava algo. Frequentava a academia todos os dias, mas encontrei a FAT BIKE, pneus “gigantes”, bem largos, bem diferentes do que eu costumava utilizar. Onde a levo, ela chama muito a atenção e é muito comentada (foto abaixo).

Já viajei muitas vezes dentro do estado e para Santa Catarina, normalmente para participar de eventos de ciclismo. Também já viajei para descansar e acabei conhecendo lugares incríveis enquanto pedalava.

Hoje, devido ao trabalho, tenho saído menos para curtir a bike, mas mesmo assim, em casa, tento fazer uns 30 minutos 3x na semana em um rolo de treinamento. Quando vou para a praia, o carro não sai de casa desde que chego até o dia de voltar para Canoas.

Para quem quer começar e não sabe como, vou dar umas dicas.

Muitos amigos perguntam qual bike é boa para comprar. A minha resposta é sempre a mesma, depende para que finalidade você a quer. Como expliquei antes, temos mountain, speed, fat bike e outras opções não muito comuns. Para passeio, normalmente sugiro uma mountain com um grupo (trocadores de marchas) e freios bons, a bike vai durar muito. Já se for para trilha com barro, o equipamento precisa aguentar o tranco, então precisa de um equipamento mais resistente, se possível com freio a disco hidráulico. Outra dica é lembrar que, após uma boa trilha de barro e areia, é necessária uma revisão completa para manter a lubrificação, assim não haverá um desgaste prematuro tanto da corrente quanto dos freios e da suspensão.

A bike sempre foi e sempre será um ótimo meio de transporte, onde se une o útil ao agradável. Chega-se onde se quer, sem consumo de combustível, nem trânsito e ainda ajuda a manter a resistência, melhorando a saúde. Com treinos regulares, se alcança distâncias cada vez mais longas.

Quando viajei para a Califórnia nos EUA, presenciei uma coisa muito legal. A fábrica que eu estava prestando serviço pagava para o funcionário $5 dólares por dia para quem deixasse o carro em casa e fosse trabalhar de bike. Com ciclovias nas estradas principais, isso ficava mais fácil. Por aqui ainda não temos essa cultura, mas quem sabe as coisas mudam e adotamos essa ideia em breve! Fonte: Revista in FOCO 13º por Júnior Oliveira